quarta-feira, 9 de julho de 2014

Atividade da UFBA

Olá pessoas!!!!!!11!!1!
Há quanto tempo não venho aqui, vejo teias de aranha. Bem devo justificar-me: tenho ocupado bastante  meu tempo com os estudos da faculdade e de musica... Entre outras coisas que aconteceram na minha vida, mas isso contarei depois.
Hoje vim postar uma atividade minha, valendo ponto (uhu!). Sobre o emprego das competências infocumunicacionais no contexto de Secretário Executivo.

Eu escolhi esse texto- A Secretária que faz... por que este texto demonstra bem como aconteceram e foram evoluindo as etapas do trabalho de um Secretario (o texto fala secretária, mas quem iniciou a profissão de Secretario Executivo foram homens, as mulheres entraram na profissão somente durante a segunda guerra mundial, pois os homens foram lutar, e eles estão voltando gradativamente para a ocupação) no meio de trabalho, as atividades do dia-a-dia, onde lidamos com as tecnologias infocomunicacionais.

Resumo indicativo do texto:

As novas tecnologias de informação e de comunicação começaram a impactar com estruturas administrativas complexas, principalmente a partir do momento em que o computador  entrou em cena, nos anos 40. Nas primeiras décadas, o computador manteve-se distante do homem comum devido à necessidade de ambiente especial, pessoal técnico especializado, linguagens pouco acessíveis, alto preço e grande volume físico.
Daí para a frente, até meados dos anos 70, com a chegada do telex, da fotocopiadora, da máquina de escrever elétrica e, um pouco mais tarde, da máquina de escrever eletrônica, a rotina para se enviar uma correspondência era praticamente assim: o chefe ditava a correspondência ao secretário, que, ao término do ditado, ia datilografá-la, levava-a para a apreciação do chefe, este fazia algumas correções e eliminava uma ou outra frase, se fosse o caso. Então, o secretário redatilografava a correspondência o número de vezes necessário, até que não houvesse nenhum erro, apresentava-a ao chefe para assinatura, passava na sala da reprografia para fazer uma fotocópia para o arquivo, voltava a sua mesa, envelopava a correspondência, esperava o office-boy para levá-la ao correio e ser, finalmente, enviada.
Toda essa tecnologia altera consideravelmente muitos dos procedimentos administrativos. Elimina funções e categorias de trabalho e leva as organizações a uma completa reestruturação administrativa.
Em muitas organizações, as estações de trabalho (workstations), o escritório inteligente, já são uma realidade. O lay-out dos escritórios, sem as tradicionais paredes e as salas fechadas, permite um trabalho mais integrado, além de acomodar as pessoas e os equipamentos de forma harmônica. É a reengenharia espacial.
As organizações não podem parar de adotar as inovações tecnológicas, da mesma maneira que seus empregados não podem deixar de se qualificar para assumir sempre mais responsabilidades e estar preparados para as novas tecnologias que os pesquisadores estão desenvolvendo, e que impactarão o trabalho. A tecnologia é criada para nos servir. É uma ferramenta que tem falhas, como nós as temos também.


Bem, por enquanto é isso, até a proxima!